Dinheiro em Paris

A França encontra-se na zona do Euro e Paris, infelizmente, é considerado um dos destinos mais caros para o turista no mundo. A boa notícia é que nem tudo está perdido e é possível sim visitar a Cidade Luz gastando menos. Confira abaixo algumas dicas úteis e que podem ser seguidas antes — na fase de organização e preparação — e durante a sua viagem.

Hospedagem

– Acesse sites de reservas de hotéis — como o Booking — com o máximo de antecedência, lembrando que os estabelecimentos mais afastados das regiões turísticas costumam ter preços melhores. Em Paris, você só precisa ficar próximo a uma estação do metrô para estar bem localizado!

– Se você não puder pagar pela sua estadia no momento da reserva, procure por ofertas com cancelamento gratuito. Elas são legais, também, para aqueles que encontram melhores ofertas algum tempo depois, pois podem ser canceladas até uma data limite.

– Vale a pena ainda conhecer os Hotwire e Priceline, que costumam oferecer grandes negócios!

– Se a sua intenção é economizar ainda mais com hospedagem na Cidade Luz, não deixe de considerar os albergues que, em geral, são bons, baratos e bem localizados. Já os apartamentos de temporada costumam ser uma excelente opção, principalmente para os que pretendem dividir a hospedagem com mais gente, além de comprar e preparar a própria comida “em casa”, o que ajuda muito na economia.

Hotel-em-paris

Alimentação

– Tomar café da manhã, consumir itens do frigobar do hotel e comer em restaurantes parisienses são atitudes que, geralmente, não saem tão em conta. A dica, portanto, é fazer refeições na rua, em lanchonetes, cafés locais ou comprar comida pronta e bebidas em supermercados como o Carrefour, que está espalhado por vários pontos da capital.

– Mas se você é daqueles que não abre mão de comer em restaurantes, pode optar por fazer apenas uma das refeições nestes locais. Na França, você tem a opção do “prato do dia” ou “menu do dia”, deliciosos e bem mais baratos.

– Outra dica para os que adoram experimentar novos sabores é sair da área turística e optar por restaurantes frequentados por habitantes locais. Uma experiência gastronômica e cultural fantástica, além de bem mais econômica.

– Vale a pena ainda ir às compras nos supermercados locais! Além de economizar bastante, é muito legal conhecer os produtos e alimentos dos demais países e se sentir um local enquanto garante os próximos lanches, snacks, bebidas e até refeições! Para quem aluga um apartamento, é o ideal!

Paul-boulangerie

Transporte

– Para economizar no quesito locomoção, opte sempre por um meio que possibilite várias viagens, em vez de uma só. Por exemplo, o bilhete único do metrô referente à zona 1 custa 1,80 , já dez tíquetes saem por 14,10 , ou seja, acaba sendo bem mais vantajoso adquirir o "pacote" com 10 bilhetes, que também podem ser usados nas linhas RER (zona 1), nas linhas de ônibus Ile-de-France (RATP e OPTILE), exceto o Orlybus e o Roissybus, além de bondinhos elétricos e funicular de Montmartre.

Outra alternativa para quem vai passar mais dias na cidade é adquirir o Paris Visite, o cartão que dá acesso ilimitado a metrô, ônibus e RER, por tempo determinado. O passaporte para cinco dias, com acesso às zonas 1 a 3, custa 35,70  (adulto) e 17,85 € (crianças de 4 a 11 anos). 

– Outra dica válida é evitar as caríssimas corridas de táxi, andar a pé sempre que possível — especialmente quando o tempo estiver aberto — ou alugar uma bicicleta como meio de transporte. Além de ser mais barato e saudável, você aproveita e se diverte muito mais do que se estivesse em um transporte público. Em Paris, você tem o Velib. Saiba mais sobre esse sistema aqui.

Museu-do-louvre

Passeios/Atrações Turísticas

– A mesma dica do cartão é válida também para atrações turísticas e passeios, principalmente se a intenção é conhecer o máximo possível em um curto espaço de tempo (e evitar filas). Esses cartões combinam entradas em museus e monumentos, o uso transporte público e até mesmo descontos em cafés e lanchonetes. Em Paris, você tem o Paris Pass.

– Alguns dos principais museus da Cidade Luz abrem as portas de graça nos primeiros ou últimos domingos de cada mês. São eles:

Louvre: primeiro domingo do mês, mas só de outubro a março;

- Museu Orangerie: entrada é gratuita no primeiro domingo de cada mês;

- Museu D'Orsay:  entrada é gratuita no primeiro domingo de cada mês;

- Museu Rodin: entrada é gratuita no primeiro domingo de cada mês;

- Centro Pompidou: crianças e jovens até 18 anos não pagam nada para entrar;  

– Além disso, não se esqueça de que Paris está repleta de belas praças, como a Place de La Madeleine, a Place Vendome, a Place de la Bastille e a Place de La Concorde. Lá também estão igrejas como a Notre Dame e a Basílica do Sagrado Coração, que são verdadeiros museus. E para visitar vários desses lugares você não terá que desembolsar nenhum centavo! Nada mal, não é mesmo?!

– Antes do seu embarque, não deixe de conferir a agenda cultural da Cidade Luz, pesquise no próprio Google e com muita facilidade. Isso porque eventos e festivais gratuitos são bastante comuns por lá.

Tudo que você precisa saber sobre Paris!

Esse texto sobre Dinheiro em Paris faz parte do guia de Paris no Melhores Destinos

Comentários para Dinheiro em Paris

Para comentar você precisa se cadastrar ou fazer login.