Alberico Luiz Carneiro Barreto
Alberico Luiz Carneiro Barreto

  1. 3,3
    Ruim
    Pontualidade
    Serviço de bordo
    Check-in
    Conforto do avião
    Entretenimento
    Cuidado com bagagem
    Atendimento dentro do avião
    Custo-benefício
    Voo Doméstico - Classe Econômica
    Data de ida: 05/04/2013       Data de volta: 08/04/2013

    O preço, o serviço de bordo e o horário do vôo 6224 são bons

    Tive um prolema na hora do embarque em BSB que me deixou muito irritado. Estava levando como bagagem de mão duas mudas de plantas e na hora que ia entrar no ônibus que me levaria ao avião um funcionário da empresa Avianca de prenome Tiago me proibiu de passar pelo portão, ao argumento de que a Avianca não permite o transporte de plantas. De imediato solicitei que as plantas fossem despachadas, ao que ele respondeu que nem no porão de cargas nem na cabine de passageiros eu poderia levar minhas mudas. Nesse momento, solicitei ao funcionário que me mostrasse onde estava disposto no site ou contrato que eu não poderia viajar com plantas, já que não é um item proibido pela ANAC, tanto que eu passei normalmente pelo raio X. O funcionário, muito arrogante, disse-me que estava muito atarefado e que não poderia me mostrar a proibição, voltando a afirmar que eu não poderia embarcar com as plantas, ou seja, que eu teria que abandoná-las ou então perderia o vôo. Diante da situação, eu lhe falei que se não me fosse mostrado o dispositivo contratual que veda o transporte de plantas pela Avianca eu iria entrar no ônibus da infraero e seguir para o avião, ao que o funcionário, de forma ainda mais arrogante, afirmou que ia acionar a Polícia Federal, que infelizmente não apareceu por lá. Para não perder o vôo e deixar de estar com a família deixei as plantas no aeroporto, mesmo sabendo que a atitude do funcionário não tinha qualquer respaldo legal ou contratual. Outros acontecimentos de outros vôos poderiam ser comentados aqui, mas esse em específico foi o que mais me irritou, principalmente pela arrogância do funcionário Tiago, que me tratou como se eu fosse um bandido (que estava desatendendo alguma lei penal), e não como um cliente, que pagou pela passagem e que, embasado no contrato, tinha o direito de levar as mudas na aeronave, seja na cabine de passageiros, seja no porão de cargas. Ainda que houvesse tal proibição, o mínimo que se espera é urbanidade e disposição em resolver o conflito, e não descaso e arrogância como foi o caso. No momento ainda solicitei que ele entrasse em contato com a chefe dele, para que eu relatasse a situação e assim me fosse autorizado o embarque, pedido que foi negado peremptoriamente, demonstrando a sua total falta de preparo para exercer uma atividade que exige alguns predicados daquele que está tratando com o público.

    Comentários da avaliação

    Para comentar você precisa se cadastrar ou fazer login.