Rota do vinho Chianti

Imagine uma pintura com campos verdes, céu azul, sol radiante e estradas pequeninas e charmosas. Parece um sonho, né? Mas na Toscana é realidade. A região, famosa pelas paisagens de tirar o fôlego, tem algumas das estradas mais bonitas de toda a Itália. Difícil não querer parar a cada minuto para tirar fotos e registrar a beleza do lugar! Na rota do vinho Chianti, a gente se sente assim: não sabe se admira a paisagem, se tira fotos ou se estaciona o carro simplesmente para absorver melhor tudo o que os olhos veem. 

Tenuta-torciano

A famosa estrada SS222, ou Via Chiantigiana, que liga Florença a Siena, é um ponto imperdível para quem quer desbravar a região da Toscana com calma, seguindo o estilo "dolce vita" dos italianos. A estrada é estreita, sem acostamento e cheia de vistas incríveis. No meio do caminho, pequeninas cidades, como Radda, Greve e Castellina in Chianti, valem uma visita. Charmosas e com pouquíssimos habitantes, elas encantam os turistas pelas ruazinhas que parecem de filme e pelos detalhes, como flores em janelas. São as típicas cidadezinhas que parecem de contos de fadas! 

A grande atração dessas cidades é gratuita. Perder-se pelas ruas pode ser bastante prazeroso (não se preocupe em se perder de verdade, em 10 minutos você provavelmente já terá percorrido toda a cidade, de tão pequenas que são). Além, é claro, de mercadinhos de comida italiana e enotecas. Vale muito a pena parar em cada uma das cidades-acredite, menos de uma hora é suficiente para conhecê-las, de tão pequeninas! O caminho tem cerca de 100 quilômetros e, se não parar em nenhum ponto, pode ser feito em duas horas (a estrada não permite alta velocidade). No entanto, o mais recomendado, claro, é ir bem devagarzinho, curtindo a beleza da região!

Mas o grande atrativo da rota do Chianti é, claro, o vinho! Em algumas das várias vias da região, podemos admirar enormes plantações de uvas e as vinícolas. A maioria delas recebe turistas para degustações e almoços ou jantares. Estivemos em duas: na Azienda Agricola Poggio Amorelli e na Tenuta Torciano. Na Poggio Amorelli, fomos recebidos com muitas especiarias italianas: uma degustação de salames, queijos toscanos, aceito balsâmico e azeites especiais e vinhos variados, entre eles, o Chianti Clássico, feito com 80% de uvas sangiovese. Os interessados podem parar lá para fazer a degustacão de vinhos (20 euros/pessoa) ou a degustação de vinhos com almoço (40 euros/pessoa). Também é possível comprar os produtos diretamente com eles, com desconto. Uma garrafa de Chianti Clássico, por exemplo, sai a 24,90 euros. O Chianti Clássico Reserva sai a 36,90 euros (confira endereços e demais informações sobre a vinícola no fim do post).

Na Tenuta Torciano, conhecemos uma das pérolas de San Gimignano: a uva Vernaccia, que faz um delicioso vinho branco de muita qualidade, apreciado em toda a Itália. O dono da vinícola conta que a qualidade, na verdade, é uma sorte: o P.h. do solo é ideal para o cultivo da uva e, por isso, o sabor tão agradável. Lá também acontecem degustações de vários produtos italianos, como azeites, queijos, salames e acetos balsâmicos, e vinhos diversificados. Uma boa surpresa é a sobremesa: cantucci (biscoitinhos) com vinsanto, um vinho que lembra um licor e que combina com sobremesas. Há ainda um restaurante super agradável no espaço, com um jardim belíssimo, que funciona todos os dias, das 10h às 20h. Se você estiver interessado em comprar algum produto, o estabelecimento oferece descontos para os visitantes. Todos os produtos de degustação estão disponíveis para compra. É possível agendar vários programas no site da vinícola, como degustação de vinho, degustação de vinho com almoço, degustação de vinho Brunello com jantar e até mesmo hospedagem de fim de semana. Os preços começam a partir de 25 euros-e cada centavo gasto vale a pena (confira endereços e demais informações sobre a vinícola no fim do post).

Vinicola-poggio-amorelli

Lenda do Gallo Nero

Para quem se interessa por história, a da região Chianti é interessantíssima! Diz a lenda que, na época medieval, Siena e Florença brigavam para expandir suas fronteiras, lutando pela desejada região do Chianti. Cansadas de batalhas sanguinárias, as duas potências medievais decidiram resolver a questão de uma maneira inusitada: cada uma escolheria um galo e, assim que o bichinho cantasse, logo cedo, um guerreiro de Siena e outro de Florença sairiam de suas respectivas cidades em direção à outra. A fronteira seria estabelecida no ponto de encontro entre os dois cavaleiros.

O governo de Siena escolheu um galo branco e alimentou bem o animal, imaginando que, feliz e de barriga cheia, ele cantaria majestoso logo nos primeiros momentos da manhã. O governo de Florença, no entanto, fez o contrário: escolheu um galo preto e deixou o bichinho sem comer, para que ele cantasse muito cedo, tamanha a fome que ele sentiria. O resultado foi favorável aos fiorentinos: com muita fome, o galo preto cantou ainda de madrugada. O cavaleiro saiu muito cedo de Florença e encontrou o rival perto de Siena, já que o galo branco, muito bem alimentado, continuou dormindo até mais tarde.

Vinicola-poggio-amorelli

Vinho Chianti 

O Chianti Clássico vem com um selo Gallo Nero, que garante a qualidade e a proveniência do produto. A marca é tutelada pelo Consorzio Vino Chianti Classico. O selo tem uma ilustração de um galo preto. Vale lembrar que o Chianti Classico apresenta, no mínimo, 80% de uvas sangiovese. O Chianti simples tem 75% desse tipo de uva em sua composição. O restante, segundo o Consorzio, pode ser de outros 40 tipos aprovados, como Cabernet Sauvignon e Merlot. No entanto, algumas vinícolas produzem vinhos feitos apenas com uva sangiovese. Na produção do Chianti (não o clássico), os produtores podem até incluir uvas verdes.

Transporte 

Para fazer a rota do Chianti, o ideal é alugar um carro, já que assim você pode fazer o percurso no seu tempo. Contudo, se você preferir, há empresas que fazem passeios pela região do Chianti, com ou sem degustação de vinhos. Geralmente a empresa busca os clientes no hotel e os passeios podem durar um dia inteiro ou uma tarde inteira, dependendo do programa escolhido. Para maiores informações, consulte os sites www.ciaoflorence.it e www.mytours.it.

 

  • Vinicola-poggio-amorelli

    Vinícola Poggio Amorelli

    Nota: 4.5 de 10 (1)

    A Poggio Amorelli oferece vários serviços, como degustações e almoços. Fomos recebidos com muitas especiarias italianas: uma degustação de salames, queijos toscanos, aceito balsâmico e azeites especiais e vinhos variados, entre eles o Chianti Clássico, feito com 80% de uvas sangiovese. Os interessados podem parar...

  • Castellina-in-chianti

    Castellina in Chianti

    Nota:  de 10 (0)

    Pequenina e charmosa, Castellina in Chianti merece uma visita. Os primeiros relatos sobre a cidade surgiram antes da época etrusca e, no século XII, ela caiu na dominação fiorentina. Por conta da posição estratégica entre Florença e Siena, o vilarejo se tornou um importante centro. Quando estiver na cidade, não...

  • Tenuta-torciano

    Tenuta Torciano

    Nota:  de 10 (0)

    Na Tenuta Torciano, conhecemos uma das pérolas de San Gimignano: a uva Vernaccia, que faz um delicioso vinho branco de muita qualidade apreciado em toda a Itália. O dono da vinícola conta que a qualidade, na verdade, é uma sorte: o P.h. do solo é ideal para o cultivo da uva e, por isso, o sabor é tão agradável....

Tudo que você precisa saber sobre Siena!

Esse texto sobre Rota do vinho Chianti faz parte do guia de Siena no Melhores Destinos

Comentários para Rota do vinho Chianti

Para comentar você precisa se cadastrar ou fazer login.