Melhores Destinos
Bogotá
Jéssica Weber Jornalista apaixonada por mato e praia, interessada na história dos lugares, na arquitetura das cidades e em comida, é claro.

Onde comer em Bogotá

Bogotá não tem nada de insossa. Talvez nem todas as comidas lhe agradem, mas você terá boas surpresas caso resolva experimentar. E o melhor de tudo é que, para fazer a digestão, você contará com o melhor café do mundo. 

Neste post trazemos algumas das comidas típicas da capital colombiana e sugestões de restaurantes que testamos e aprovamos. Minha barriga já está roncando de saudade! 

O que e onde comer em Bogotá

Comidas típicas de Bogotá

Arepa é provavelmente a comida que você mais vai encontrar na Colômbia — dizem que existem 43 versões do prato no país! São servidas em restaurantes como entrada, mas também caem muito bem como um lanche da tarde, quem sabe até no café da manhã. 

É uma espécie de pãozinho achatado que, normalmente, é feito de farinha de milho ou milho seco moído — milho é maíz em espanhol. Mas eu também experimentei arepas de papas (batatas) e até arepa de anis, docinha, com um sabor sutil de chá. 

Onde comer em BogotáEssa daí é a arepa mais raiz que comi na região de Bogotá, com muito maíz e servida na palha do milho. Comi no final do tour na Lagoa de Guatavita. Não é o primeiro ponto, ficava mais perto de onde as vans estacionam. Deliciosa!

A de anis eu experimentei no Restaurante Santa Clara, no topo do morro Monserrate (tem bons restaurantes lá em cima!). O restaurante oferece pratos típicos colombianos em uma bela casa de estilo francês construída em 1924 na localidade de Usaquén e transferida para Cerro de Monserrate em 1979. Lá eu provei também uma sopa típica chamada aijaco, que é tipo uma canja com três tipos de batatas e milho, e daí você adiciona creme de leite e abacate. Admito que não é para mim, mas talvez você curta. 

Onde comer em Bogotá

Dei mais uma "tenteada" com sopas colombianas. Comi uma tal de changua de café da manhã, uma sopa à base de leite com cebola, coentro, ovos e queijo. Mas não consegui mesmo assimilar essa mistura de sopa com leite hehe. 

O prato eu não repetiria, mas voltaria com certeza no restaurante, que é o mais antigo de toda a Colômbia. O La Puerta Falsa funciona desde 1816 a poucos metros da Catedral Primada, na Candelária, e tem preço justo. É um restaurante pequenino e dinâmico, você pode optar entre mesinhas de madeira no mezanino e o balcão, e é perfeito para experimentar pratos típicos.

Lá também dá para provar, por exemplo, o chocolate santafereño, chocolate quente à base de água com pedaços de queijo dentro, ou o tamal, uma trouxinha com massa de farinha de milho e arroz acompanhada de frango, ervilhas, cenoura e outras especiarias. Outro lugar onde eu encontrei o tamal foi no Mercado de Paloquemao, que, para os curiosos da gastronomia, é um passeio e tanto!

A gente fez uma visita guiada ao Mercado Paloquemao com degustação de alguns produtos locais. O meu almoço por lá foi a lechona, que comi parada em pé, ao lado da banquinha, nos fundos do mercado. O prato consiste em uma carne de porco com arroz e lentilha branca. Acompanhado de uma lulada (suco da fruta lulo), então, estava uma delícia! Ver a cabeça do porco, entretanto, é o que pode atrapalhar a digestão. 

Mas a minha parte favorita do passeio nesse mercado foi experimentar as frutas — os colombianos se gabam de ter uma fruta diferente para cada dia do ano. Provei curuba (que parece um maracujá extenso), gulupa (também parecido com maracujá, mas com uma camada rosa), manzana criolla, feijoa (que lembra um abacate)... Mas a minha favorita foi a chirimoia, que não me arrisco a comparar com nada, mas uma amiga achou que lembrava fruta do conde.

Onde comer em Bogotá

O passeio inteiro levou duas horas e meia, aproximadamente, e fizemos a convite da foodie. Também tem um passeio com degustação de frutas no Mercado Paloquemao no site da Civitatis

Petiscos comuns em Bogotá

Maíz: servir milho na espiga é uma coisa super comum em Bogotá, às vezes com um queijinho ralado por cima. É uma entrada saudável e deliciosa.

Buñuelo: bolinhos fritos com um gosto bem suave. São típicos do Natal na Colômbia, mas podem ser encontrados em mesas de café da manhã ao longo de todo o ano.

Pandebono: eu diria que é a versão colombiana do pão de queijo. Leva, normalmente, fécula de mandioca, queijo e ovo.

Chicharron: aqui no Brasil a gente chama de torresmo. São pequenos pedaços de carne de porco com gordura fritos até ficarem crocantes. Haja colesterol!

Morcilla: é morcilha mesmo, um tipo de linguiça de sangue. É bem comum em restaurantes e bares, e talvez o quitute mais polêmico de Bogotá. 

Onde comer em BogotáOutros restaurantes que vale conhecer em Bogotá

Essa foto acima, de chips de mandioquinha com pedaços de morcilha, é uma das entradas que provamos no restaurante Madre, localizado no Centro Histórico de Bogotá. Lá tem também pratos bem "normais" — e deliciosos. 

A decoração tem uma pegada industrial-moderna, um espaço cheio de luz e cor. De fuerte (prato principal), eu comi um penne com molho napoletano, camarão, salmão, mexilhões e queijo gratinado, bem gostoso. Não é dos lugares mais baratos, mas foi uma das minhas experiências gastronômicas mais agradáveis em Bogotá. 

Tenho outro restaurante para sugerir em La Candelaria. O Origen Bistrô fica em uma casa antiga e colorida, que é a cara de Bogotá, e serve pratos autorais inspirados nas tradições colombianas. 

Como o dia estava bonito, eu escolhi uma mesa no jardim interno. Pedi o lomo, lombo de gado empanado em manteiga de ervas finas com patacón gratinado (aperitivo crocante de banana). E para acompanhar, o meu vício em terras colombianas: limonada de coco. Docinha, refrescante e tem em tudo que é lugar. Você precisa experimentar. 

Eu ainda preciso lhe contar sobre a extravagância gastronômica que vivi no ODA, que está entre os melhores restaurantes do mundo na lista The World's 50 Best. Nesse restaurante chiquérrimo com janelões panorâmicos no bairro Cedritos, o cardápio é uma homenagem aos ingredientes e à culinária colombiana, com produtos provenientes de uma horta urbana local e plantas indígenas da floresta amazônica. Eu admito que tentei, mas estou tendo dificuldade de explicar os pratos, mesmo com o cardápio em mãos. Então minha dica é: entregue-se. 

O Andrés Carne de Rés precisa entrar na lista porque é o mais famoso restaurante-bar-bailadero de Bogotá. O original, na verdade, fica em Chía, na Região Metropolitana. Mas a operação na Calle 82, na Zona Rosa, também é famosa e gigante — tem quatro andares! 

A decoração é um pandemônio de informações, com várias referências ao céu e ao inferno. Normalmente tem apresentações artísticas à noite, de salsa e outros ritmos latinos, é bem animado. O restaurante serve toda sorte de petiscos colombianos e pratos quentes também, tendo as carnes como carro-chefe. O cardápio de cervejas, tragos e drinks é enorme também. Mas vá com calma, uma Corona de 330 ml saía por quase R$ 30, e os drinks conseguiam passar de R$ 80. 

Confira os 5 hotéis mais reservados por nossos leitores em Bogotá